siga nossas
redes sociais:
FacebookTwitter

Em homenagem à padroeira de Aracaju, “Matinas da Conceição” serão destaque da Orsse

04 de Dezembro de 2018, 12:55

Os devotos da padroeira da capital sergipana, Nossa Senhora da Conceição, poderão no próximo dia 6 de dezembro, quinta-feira, às 20h30, contemplar uma obra concebida em homenagem à santa no palco do Teatro Atheneu.Os músicos da Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse), acompanhados do Coro do Conservatório de Música de Sergipe e convidados, apresentarão ao público as "Matinas da Conceição".

Sob a batuta do maestro titular da ORSSE, Guilherme Mannis, com a regência do Coro do Conservatório por Joel Magalhães e os solistas Nalini Menezes, soprano, e Jackson Trindade, tenor. Os ingressos, ofertados a preços populares, já podem ser adquiridos na bilheteria do Atheneu.

De acordo com o maestro Mannis, não se trata de um programa a ser apreciado apenas por quem é católico. “Àqueles que rezam a cartilha da boa música também estão convidados”, pontua. Segundo Mannis, serão levadas à plateia composições que evidenciam a reverência a Imaculada Conceição, escritas pelo carioca José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) e que datam do fim do século XIX. Mas não fica por aí. Os profissionais da ORSSE também executarão de Mozart, a conhecida abertura da ópera "As bodas de Figaro" e de Schubert, a Abertura Rosamunde.

Sobre o compositor

Reviver o compositor José Maurício Nunes Garcia tem sido uma constante na programação da Orsse. Considerado o maior compositor brasileiro do início do século 19, José Maurício ultrapassou as barreiras raciais e impressionou a todos os europeus com quem conviveu. A Orsse, por sua vez, já comemorou, no ano passado, em parceria com o projeto Musica Brasilis, os 250 anos de nascimento do compositor, interpretando diversas de suas obras sacras e profanas, tais como a Missa de Santa Cecília, Gradual Dies Sanctificatus, Tota Pulchra es Maria, Ulissea, Triunfo da América, além de diversas aberturas concertantes. Mulato, descendente de escravos, José Maurício nasceu pobre, mas recebeu uma educação sólida tanto em música como em letras e humanidades. Optou pela carreira na Igreja por devoção, mas provavelmente também por praticidade, sendo um meio de garantir um futuro decente, especialmente para pessoas de sua condição social. Suas elevadas qualificações artísticas e intelectuais se revelaram cedo e, de certo modo, fizeram a sociedade escravocrata de sua época atenuar as fortes restrições de acesso a posições de prestígio que colocava contra os negros e pardos como ele, mas não o livraram completamente dos infortúnios gerados pelo preconceito. Considerado o mais importante compositor brasileiro do fim do século XVIII e início do XIX, destaca-se pela vasta obra de grande qualidade. Com a chegada da corte portuguesa em 1808, surpreende D. João com seu talento, a ponto de ter sido nomeado Mestre da Real Capela.

Sobre os cantores solistas

A sergipana Nalini Menezes é bacharel em Música - Canto Lírico pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Em São Paulo estudou com as professoras Martha Herr, Andréa Kaiser e Marília Vargas.  Em 2008 foi solista na execução da Fantasia Coral de Beethoven junto à ORSSE. Em 2014 foi solista junto à mesma orquestra cantando repertório da Broadway e Disney e ao final do mesmo ano cantou os solos de soprano da Cantata Carmina Burana. Em 2015 foi solista no concerto Disney & Games regido pelo maestro Guilherme Mannis, no mesmo ano fez o solo de soprano da missa Lord Nelson de J. Haydn. Apresentou-se nos mais importantes teatros da cidade de São Paulo, tais como Theatro Municipal, Theatro São Pedro e Sala São Paulo.  Integrou o Coro Acadêmico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo sob a regência e preparação de Marcus Thadeu e Naomi Munakata, Coro da OSESP, durante o ano de 2013. Atualmente Nalini Menezes é professora de Canto Lírico no Conservatório de Música de Sergipe.

Jackson Trindade é tenor, natural de Itabaiana/SE onde iniciou os estudos musicais no coral filarmônico da Sociedade Filarmônica Nossa Senhora da Conceição, em 2005. Graduou-se em Canto Lírico pela UFBA, em 2017. Teve como orientadores: Ezequiel Oliveira, Marília Teixeira, Verônica Santos, Moacyr Costa Filho, Marilda Costa, Eliane Sampaio (RJ), Denise Sartori (PR) e Mavin Keenze (EUA). Em Salvador/BA integrou a Arena Cia. de Artes, participando dos espetáculos “Ave Marias”, “Kunstlieder - um recital germano-brasileiro” e “Mozartissimo”. Atuou como solista do “Te Deum” de Lully (UFBA), sob a regência do maestro Horst Schwebel, e da Fantasia Coral de Beethoven executada pela Orsse em 2015, regida pelo maestro Guilherme Mannis.

SERVIÇO

Orquestra Sinfônica de Sergipe – Série Laranjeiras

Teatro Atheneu, 06 de dezembro, 20h30

GUILHERME MANNIS, regente

CORO DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SERGIPE

Joel MAGALHÃES, regente

NALINI MENEZES, soprano

JACKSON TRINDADE, tenor

Repertório:

Wolfgang Amadeus MOZART

Abertura da ópera “As Bodas de Figaro”

José Maurício NUNES GARCIA

Matinas de Nossa Senhora da Conceição

Franz SCHUBERT

Abertura Rosamunde, D. 797

Ingressos disponíveis nas bilheterias do Teatro Atheneu, nos valores de R$10 (meia-entrada) e R$20.

Realização: Secretaria de Estado da Cultura – Governo de Sergipe

Assessoria de Comunicação

Secretaria de Estado da Cultura (Secult)

  • Medium 4e3b6628d812e220a0e93effada45b48