Centro de Excelência em Divina Pastora desenvolve disciplina eletiva

28 de Janeiro de 2018, 09:26

A intensão é avançar para a construção de robôs didáticos desenvolvidos a partir das experiências com o Arduino básico

A disciplina eletiva do ensino médio em tempo integral intitulada “Oficina de Ciência, Fazer e Aprender”, do Centro de Excelência João de Melo Prado, localizado em Divina Pastora, ficou ainda mais interessante com a aquisição de 20 kits de Arduino básico. O projeto desenvolvido pelos professores Nilson Santos (Geografia) e Luciene Menezes (Física) chega à segunda fase e avançará com a intenção de orientar os alunos a criarem robôs didáticos.

Segundo a diretora Shirley Cruz, os professores fizeram um projeto e, com o apoio do secretário de Educação, Jorge Carvalho, e do superintende da Educação, Everton Siqueira, foram adquiridas as plataformas de programação eletrônica base, a fim de que os alunos tenham acesso às primeiras ferramentas de programação, circuitos, sensores e equipamentos de automação. “O apoio dado pela Secretaria foi primordial, pois sem o recurso o projeto ficaria apenas no papel. Com a aquisição desse material as aulas ficaram mais dinâmicas, pois os alunos saíram da teoria à prática. É um grande avanço graças ao apoio do secretário na representação do superintendente”, afirmou Cruz.

O objetivo do projeto é criar ferramentas que são acessíveis, com baixo custo, flexíveis e fáceis de se usar por novatos e profissionais. Principalmente para aqueles que não teriam alcance aos controladores mais sofisticados e de ferramentas mais complicadas. O projeto inicial utiliza o Arduino, que consiste numa plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador que, de forma básica e acessível, permite aos alunos um suporte de entrada/saída embutido, com uma linguagem de programação padrão. 

O professor Nilson Santos explica que era utilizado um kit de sua propriedade e com a aquisição, o projeto chega numa nova fase de pesquisa e aprendizagem, já que os alunos acessarão as linguagens de programação eletrônica, programação de circuitos, de sensores, entre outros equipamentos e hardware. “No futuro queremos desenvolver robôs didáticos. É um projeto que ainda terá o que falarmos”, afirmou.

Nilson Santos ainda explicou que, através da tecnologia, poderá desenvolver outros objetos interativos independentes, ou ainda ser conectado a um computador hospedeiro.