siga nossas
redes sociais:
FacebookTwitter

Trabalhadores da saúde lançam campanha midiática nas redes sociais

09 de Janeiro de 2018, 14:20

Por: Iracema Corso

Filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE), dirigentes do Sindicato dos Psicólogos (SINPSI), Nutricionistas (SINDINUTRISE), Fonoaudiólogos, junto aos representantes dos Farmacêuticos, Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais se uniram na luta por isonomia e paridade salarial. Utilizando as redes sociais, as seis categorias estão realizando uma campanha midiática para dar visibilidade à disparidade salarial que envolve profissionais com formação superior que atuam na área da saúde.

Desde o início da atual gestão na Prefeitura de Aracaju, o movimento de trabalhadores da saúde tenta agendar uma audiência com o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), mas até o presente momento o diálogo não aconteceu.

As seis categorias profissionais que atuam na área da saúde reivindicam isonomia e paridade salarial. Na última semana chegaram a emitir uma Nota de Repúdio porque não têm sido recebidos pelo prefeito. “Somos os últimos da fila. Desde 2004, quando ingressamos no serviço público através de concurso, nossa remuneração ficou abaixo da tabela dos demais profissionais da saúde com ensino superior. Nossa luta é por justiça e isonomia, somos profissionais com nível superior e já discutimos este pleito com vários gestores. Todos concordam que é justo. Da última vez que fomos recebidos por uma comissão de secretários, ouvimos que para atender nossa demanda o impacto financeiro será irrisório, mas falta vontade política”, explicou a dirigente do SINPSI, Inês Santana.

A psicóloga e dirigente sindical explicou que é necessária uma lei, proposta pelo Poder Executivo. “Desde que Edvaldo assumiu, nós tentamos nos reunir com ele, mas não conseguimos. Secretários de Finanças, Saúde e Planejamento ficam no empurra-empurra. Todos os demais profissionais da saúde tiveram algum ganho menos nós. Na tabela de vencimento com nível superior, temos o menor salário, apesar de cumprirmos a mesma carga horária”.

Imagem assessoria