siga nossas
redes sociais:
FacebookTwitter

Forró Caju 2018: Guarda Municipal registra queda de 70% nas ocorrências

25 de Junho de 2018, 08:01

Uma grande festa como o Forró Caju se faz com grandes atrações, uma megaestrutura e muita segurança. Ciente da responsabilidade de cuidar de milhares de foliões diariamente, a Prefeitura de Aracaju investiu alto e qualificou ainda mais seus guardas municipais para atuação na arena do evento nos seis dias de festa.

Uma atuação que não passou despercebida pelo casal de turistas paulistas Daniel Silvestre e Ana Bonfim. Em sua primeira visita a Aracaju, ela afirmou ter gostado muito da cultura nordestina, além disso, pôde ver uma grande quantidade de guardas municipais na arena e que isso é muito importante para a segurança de todos.

Julie Braga é jornalista e afirma sentir-se segura para curtir a festa. “Vi o policiamento sendo realizado dentro e fora da festa, estou me sentindo muito segura. Gostei da atenção que deram para todos nós para garantir a nossa segurança na festa”, declarou, satisfeita.

Com o propósito de passar à população esse sentimento de segurança, são escalados diariamente uma média de 200 guardiões divididos para atuação nos postos elevados de observação, nas patrulhas itinerantes, na supervisão da revista pessoal nos portões de acesso ao evento e na observação em tempo real, realizada através do ônibus de videomonitoramento e de mais 16 câmeras espalhadas estrategicamente na arena do forró.

Esse conjunto de ações tem tornado esta edição do Forró Caju a mais tranquila dos últimos anos. “Investimos em Inteligência Policial e em ações preventivas. O resultado já pode ser mensurado pelos dados estatísticos. De forma geral conseguimos reduzir os índices nesses três primeiros dias em quase 70%, levando-se em consideração as intervenções, os flagrantes, os conduzidos e as apreensões de drogas e objetos perfurocortantes. Isso mostra que o trabalho desenvolvido pelos guardiões está dando certo. Até as brigas que ocorriam com bastante frequência em edições anteriores, raramente tem acontecido”, destaca o diretor geral da corporação, subinspetor Fernando Mendonça.

Foto Rogério César