Todas as atenções para Danielle Garcia! Eleição segue indefinida em Aracaju!

28 de Novembro de 2020, 10:43

Desde o resultado da eleição do último dia 15, quando conseguiu chegar ao 2º turno, que a candidata a prefeita de Aracaju, Danielle Garcia (Cidadania), vem superando todas as expectativas. No turno anterior, apesar dela manter a segunda colocação na corrida eleitoral durante toda a campanha, havia uma projeção favorável do candidato Rodrigo Valadares (PTB) e, na reta final, do também candidato Márcio Macedo (PT). Por sua vez, o prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) parecia aumentar sua vantagem cada vez mais, ao ponto de seus aliados apostarem em uma vitória de imediato.

Com a sinalização para uma campanha em suposto "declínio", muitos chegaram a questionar, em caso de 2º turno, se a delegada teria "fôlego" para chegar. Seu marketing começou bastante equivocado, é verdade, e os adversários se aproveitaram disso para tentar desgastá-la ao máximo. Mas, com a mudança de estratégia, com um tom mais leve, com uma Danielle Garcia mais "sensível" e "propositiva", o eleitorado foi reconhecendo nela uma alternativa para a PMA. Tanto que ela voltou a crescer na reta final e "passou de fase".

Superada toda essa adversidade em sua primeira candidatura para um mandato eletivo, do dia 15 para cá, Danielle Garcia só conquistou o apoio do também delegado Paulo Márcio (DC). PT e PSOL "inventaram" um "voto crítico" para justificar a aliança com Edvaldo Nogueira; o Avante (que fez uma campanha Bolsonarista) também se somou ao projeto de reeleição e, não menos surpreendente, o DEM também está com Edvaldo, legenda do ex-governador João Alves Filho (in memoriam), que foi "massacrado" em 2016 e 2017, mas agora estão no mesmo palanque...

Essas "contradições" não soaram bem para o eleitorado aracajuano, que tem o histórico de ser muito mais crítico! Algumas pessoas manifestaram essa indignação publicamente, ao ponto de, em uma semana, Danielle ter apresentado um quadro de evolução muito grande. As pesquisas ainda sinalizam para uma "vitória fácil" de Edvaldo, mas pelo menos para este colunista, isso não se reflete nas ruas. Entre abstenções, votos brancos e nulos, no 1º turno, se chegou perto dos 40%, o que é um absurdo considerando o eleitorado de uma capital.

Há uma expectativa grande para a eleição deste domingo (29), se essa abstenção será ainda maior ou se o aracajuano irá às urnas para exercer a democracia. O que não se pode negar, que é visível, é o crescimento de Danielle Garcia nos últimos 10 dias. Setores governistas já "cantam vitória"; a oposição segue determinada; para este colunista a eleição continua indefinida e, talvez, a ausência de Edvaldo no debate da TV Sergipe, possa influenciar o voto do eleitorado. Durante a campanha inteira o prefeito que busca a reeleição não debateu, não discutiu suas propostas.

É um cenário que pode ser desconhecido com Danielle ou apenas a continuidade com Edvaldo. Mas uma coisa parece certa: as alianças políticas contraditórias e a ausência nos debates, tem um peso muito negativo para o prefeito, que está apostando em uma "margem de segurança" para vencer a eleição. Isso é ruim, porque não se discute o futuro da cidade, mas o foco é apenas no resultado. Já a delegada aposta todas as suas fichas na indignação do eleitor e prega a mudança! A "urna" vai decidir amanhã, mas no momento todas as atenções estão na evolução de Danielle...  

Veja essa!

O debate da TV Sergipe, na noite dessa sexta-feira (27), foi transformado em entrevista de 20 minutos com a candidata Danielle Garcia (Cidadania). A assessoria do candidato Edvaldo Nogueira (PDT) comunicou que ele não participaria do debate. Algo muito ruim porque durante toda a campanha não se discutiu o futuro da cidade.

 E essa!

Danielle Garcia aparentou certo nervosismo, no princípio, mas conseguiu aproveitar o tempo corrido para tentar expor suas propostas para diversas áreas. Fui uma verdadeira "arguição" comandada pela competente jornalista Susane Vidal. No final conseguiu encerrar bem e ainda defendeu que o aracajuano vá à urna exercer sua cidade.

Peso do debate

Para alguns políticos mais experientes o debate da TV Sergipe só traria benefícios para Danielle Garcia. Por isso era aconselhável para Edvaldo, que lidera a corrida eleitoral, não comparecer. Só que há uma leitura "turva" desses políticos: esse tipo de estratégia podia funcionar bem no passado, mas hoje, com as redes sociais, as informações estão na palma da mão das pessoas e chegam numa velocidade absurda.

Edvaldo deveria ir

O prefeito de Aracaju está na Prefeitura, como vice ou no comando, há 16 anos. Ele conhece a máquina administrativa, sabe dos problemas da cidade. Ia para um debate com uma candidata que, pela primeira vez, disputa um mandato eletivo. Edvaldo poderia nem entrar em polêmicas, usava o tempo para falar de propostas. Pode vencer a eleição, mas deveria ter ido...

José Carlos Machado I

Amigo de longas datas de João Alves Filho, o ex-deputado federal José Carlos Machado, emitiu uma nota lamentando a morte do ex-governador, afirmando que "levo comigo o nome de um partido que significa tão somente ele, a sua trajetória, a sua força, seu potencial, o DEM Sergipe é João Alves Filho e mesmo assumindo essa posição atual há algum tempo, nunca cogitei me preparar para este novo ciclo", disse Machado.

José Carlos Machado II

Bastante emocionado, Machado conclui dizendo que "enquanto o nó no peito aperta, tento expressar aqui o quanto sou grato pela história construída com este amigo e professor que nos deixa. Iniciei minha vida pública ao lado de João Alves e segui seus passos. Inúmeros foram os ensinamentos, grandes lições que consolidaram a nossa recíproca amizade".

Machado & João Alves I

Este colunista precisa fazer este reconhecimento público também porque, hoje em dia, é algo muito incomum você perceber uma aliança política perdurar por tanto tempo. Numa campanha um político está de um lado; na outra ele já está do outro...José Carlos Machado e João Alves Filho estiveram juntos por décadas. Dia desses tentaram, a todo custo, criar uma situação para afastar Machado do "Negão". Coisas do "submundo da política"...

Machado & João Alves II

Pelo menos para este colunista, que aqui deixa um testemunho, Machado jamais se voltou contra João Alves. Poderia até discordar administrativamente, mas no campo da política sempre "marcharam" unidos. Machado não precisa da política para viver. O faz por paixão e por espírito público. Voltou para o DEM para ajudar na reestruturação após o afastamento de João por problemas de saúde. Um dos poucos que ficaram ao lado do ex-governador após sua última passagem pela PMA. Isto precisava ser dito...

 TCE

O colegiado do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) lamentou no Pleno desta quinta-feira, 26, o falecimento do ex-governador João Alves Filho e registrou sua contribuição para o desenvolvimento de Sergipe. 

Luiz Augusto Ribeiro

"Foi um grande homem público, que muito trabalhou pelo nosso Estado e deixou seu nome marcado na história", disse o conselheiro-presidente, Luiz Augusto Ribeiro, ao propor voto de pesar seguido de imediato pelos demais conselheiros. 

Carlos Alberto Sobral

A começar pelo decano, Carlos Alberto Sobral, que descreveu João como uma "brilhante figura, fundamental no firmamento de Sergipe". Ele comentou que o ex-governador deixou realizações perenes, a exemplo da ponte que liga Aracaju ao município de Barra dos Coqueiros.  

Carlos Pinna

Já o conselheiro Carlos Pinna ressaltou que João "tinha o trabalho como uma forma de viver bem". "Era uma pessoa extremamente humana e profundamente preocupada com o bem estar dos cidadãos de Sergipe e de todos que o cercavam", observou Pinna. 

Ulices Andrade

As benfeitorias proporcionadas ao sertão sergipano nas gestões do ex-governador foram lembradas pelo conselheiro Ulices Andrade. "O sertanejo não esquecerá João Alves jamais", afirmou Ulices, ao lembrar, entre outras ações, da instalação de energia elétrica e de abastecimento de água em diversas localidades sertanejas.

Susana Azevedo

"Ao meu ver ele não se despede, pois está imortalizado em qualquer lugar deste Estado", acrescentou a conselheira Susana Azevedo, em referência às obras erguidas nos governos de João Alves. "Foi um visionário, que nasceu para isso, para trabalhar por Sergipe e melhorar as condições de vida dos sergipanos", concluiu.

Angélica Guimarães

A conselheira Angélica Guimarães também citou legados como a Orla de Atalaia e o Teatro Tobias Barreto e fez referência ao período em que João ganhou projeção nacional e veio a ser ministro do Interior (1987-1990). "Ele sempre estava junto se o benefício fosse levar melhorias para as comunidades mais carentes do Estado", registrou.

 Flávio Conceição

O conselheiro Flávio Conceição citou algumas passagens que lhe marcaram no convívio com o ex-governador e que "atestam suas qualidades como homem público": "Tratava-se de um apaixonado pela engenharia civil, pela defesa intransigente de Sergipe e dos seus ideais. João Alves Filho é o maior homem público que o Estado de Sergipe produziu".

Luís Alberto Meneses

Por fim, o procurador-geral do Ministério Público de Contas, Luis Alberto Meneses, se somou às colocações. "Ele faleceu fisicamente, porém, basta que percorramos o interior ou a capital e veremos a presença dele em tantas obras e realizações que fez".

MPE I

O Procurador de Justiça Ernesto Anízio Azevedo Melo assumiu o cargo Subprocurador-Geral de Justiça do Ministério Público de Sergipe, com mandato para o biênio 2020/2022. Ele foi nomeado pelo Procurador-Geral de Justiça, Manoel Cabral Machado Neto, que o apresentou durante Reunião Ordinária por Videoconferência do Colégio de Procuradores de Justiça.

MPE II

A função do Subprocurador-Geral de Justiça é substituir automaticamente o Procurador-Geral de Justiça nos casos de viagens, afastamentos, férias e licenças, e também representá-lo dentro e fora do Estado em reuniões, conferências e solenidades. O cargo foi criado e inserido no Projeto de Lei de atualização da Lei Orgânica do Ministério Público (Lei Complementar nº 02, de 12 de novembro de 1990), aprovado no Colégio de Procuradores de Justiça, no final de 2018.

MPE III

Além disso, o Procurador-Geral de Justiça poderá delegar ao Subprocurador-Geral de Justiça, dentre outras, as seguintes atribuições: praticar atos de gestão administrativa, financeira e de pessoal; dirimir conflitos de atribuição entre integrantes do Ministério Público; e exercer funções junto ao Pleno do Tribunal de Justiça e ao Conselho da Magistratura (Art. 8º, §15, I e II / Art. 35º, §12, alínea i, da Lei Complementar nº 02, de 12 de novembro de 1990).

Ernesto Anízio Azevedo

"Quero agradecer o convite do nosso novo PGJ Manoel Cabral Machado Neto e tentarei atender as expectativas. Agradeço as palavras carinhosas que recebi dos colegas do Colégio de Procuradores de Justiça durante a Reunião Ordinária. De imediato já vou me comunicar com o colega Paulo Lima, que iniciou os trabalhos da Subprocuradoria-Geral de Justiça e me inteirar dos meandros dessa nova missão. Quero reforçar que o diálogo é a palavra de ordem, como é sempre muito bem frisada pelo PGJ. Estou certo que Machado não construirá muros, mas sim pontes para ligar o nosso MP. Faço votos de que a nova administração, com sabedoria, consiga ultrapassar os obstáculos que aparecer", destacou Ernesto Anízio.

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com