Entidades sindicais alinham interesses coletivos entre as categorias PC  e PM

03 de Março de 2021, 10:22

Descaso do governo de Belivaldo com os profissionais de Segurança Pública norteou os debates do encontro

Indignação. Essa foi a palavra chave do encontro realizado nesta terça-feira, 02, na capital sergipana, quando quatro entidades representativas de profissionais da área da Segurança Pública tiveram a oportunidade de discutir sobre os principais problemas que afligem os integrantes da Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Na oportunidade, os representantes destacaram a importância da união entre as categorias em defesa de pauta única, coletiva e que alcance os profissionais da Segurança Pública que estão na ativa ou não.

"Iniciamos o ano de 2021 dispostos a voltar ao diálogo conjunto buscando elencar bandeiras de lutas similares a todos nós. Há problemas que afligem todas as categorias de servidores públicos da Segurança Pública e hoje foi o momento de externarmos as realidades que cada grupo de profissionais está passando. Estamos falando de todas as mazelas, problemas e dificuldades enfrentadas em nossas instituições. Somente quem está trabalhando no cotidiano e arriscando a própria vida compreende o nosso sentimento", destacou Adriano Bandeira, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE).

Para o delegado Isaque Cangussu, presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Sergipe (Adepol/SE), o encontro foi importante e necessário. "É cada vez mais importante que essa união ocorra e alcance outros segmentos da Segurança Pública. Certamente é uma forma de combater a invisibilidade desses servidores perante o Governo do Estado. Mais cedo ou mais tarde, teremos de ser vistos e ouvidos da maneira que merecemos", pontuou.

Na opinião do coronel Adriano Reis, presidente da Associação dos Oficiais Militares de Sergipe (Assomise), a proposição de pauta única é vista de maneira positiva. "Acredito que unidos alcançaremos a vitória almejada para todas as categorias envolvidas. A construção de uma proposta coletiva é viável sim", pontuou o oficial da Polícia Militar.

Segundo o cabo da Polícia Militar Will Guerreiro, presidente da Associação Única, o encontro de hoje foi histórico. "Hoje nós quebramos paradigmas em nome de algo maior. A união da Segurança Pública é importante para todos nós", finalizou.

Também participaram deste primeiro encontro Jean Rezende, diretor de Políticas Sindicais e Associativas do Sinpol/SE; Emanuel Góes, conselheiro fiscal do Sinpol/SE; e Adelmo Pelágio, vice-presidente da Adepol/SE.

Fonte e foto assessoria