Artigo publicado pela revista Scientific Report traz resultados inovadores

17 de Setembro de 2020, 08:58

Os pesquisadores trabalharam no desenvolvimento de técnicas menos invasivas para o diagnóstico do câncer de próstata.

Entre os tipos de câncer que mais acometem os homens, o de próstata é o segundo mais comum, atrás apenas do câncer de pele não melanoma, considerado um câncer da terceira idade, cerca de 75% dos casos no mundo são diagnosticados em homens a partir dos 65 anos.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer – INCA –, o aumento nas taxas de incidência no Brasil pode ser justificado pela evolução dos métodos diagnósticos, melhoria na qualidade dos sistemas de informação e aumento da expectativa de vida. Mesmo ainda sendo um desafio, o diagnóstico precoce da doença é a estratégia mais eficiente para encontrar o tumor em fase inicial e possibilitar melhor chance de tratamento.

"O diagnóstico tradicional ou teste de rastreio está baseado na coleta de sangue ou a coleta associada ao exame de toque retal. Este último ainda representa um grande problema, porque existe um preconceito dos homens em ir ao hospital por causa da vergonha, entre outros fatores. Assim, eles acabam descobrindo a doença em um estágio mais avançado", declara o doutor em Engenharia Química Matheus Pereira. O pesquisador é egresso do curso de Engenharia Ambiental da Unit e, durante quatro anos, trabalhou, no doutorado, no desenvolvimento de técnicas menos invasivas para o diagnóstico de doenças, como o câncer de próstata. Atualmente, o pesquisador desenvolve pesquisas para o pós-doutoramento na Universidade de Aveiro.

O resultado de anos de pesquisa veio com a recente publicação do artigo Towards the differential diagnosis of prostate câncer by the pre-treatment of human urine using ionic liquids, na revista internacional Scientific Report, expressivo jornal científico multidisciplinar de acesso aberto, pertencente ao grupo Nature Research, com público on-line de três milhões de leitores por mês.

O artigo trata da utilização de sistemas aquosos bifásicos formados por líquidos iônicos na concentração do antígeno específico prostático – PSA – biomarcador do câncer de próstata.

"O procedimento permite a concentração do PSA, biomarcador, em 250 vezes presente na urina, não fazendo necessário colher sangue. O processo é menos invasivo. A concentração permite melhorar o diagnóstico", explica o pesquisador doutor Álvaro Lima. Atualmente, Álvaro Lima é docente do Programa de  Pós-Graduação em Engenharia de Processos e Biotecnologia Industrial da Unit.

"A publicação em um importante periódico nos fornece uma grande visibilidade de relevância e qualidade de trabalho desenvolvido pelo grupo de pesquisa", acrescenta. O procedimento deste trabalho foi aplicado a outro tipo de câncer e gerou uma patente com o Instituto de Tecnologia e Pesquisa e a Universidade Tiradentes, sendo depositada aqui no Brasil e em Portugal pela Universidade de Aveiro.

Para o professor Álvaro Lima, o trabalho mostra uma união da área de Engenharia Química e da Saúde, alcançando um resultado bastante significativo por causa da visão multidisciplinar. "A parceria com a Universidade de Aveiro, nomeadamente com o Departamento de Engenharia Química e os professores Mara Freire e João Coutinho, é sólida e gera uma troca de experiências em um nível mais avançado da pesquisa mundial", garante.

Sobre a pesquisa

O trabalho é fruto do doutoramento do dr. Matheus Pereira na Universidade de Aveiro e teve como orientadores os professores dra. Mara Freire e dr. João Coutinho da instituição de ensino portuguesa, além da colaboração de João Calixto, Ana Sousa e Bruno Pereira. A parceria com o professor Álvaro Silva veio por meio da realização do doutorado sanduíche no Laboratório de Pesquisa em Alimentos do Instituto de Tecnologia e Pesquisa - ITP.

"Tive o contato com a ciência ainda na minha graduação no ITP com o professor doutor Álvaro Lima. Logo, existe uma sinergia bastante interessante nos trabalhos em que desenvolvemos, e continuamos com a parceria em vários estudos, assim como na ampliação de ferramentas que dominamos nas áreas das Engenharias e Tecnologias, sempre com um olhar de engenheiro para diversos problemas, neste caso, na área da Saúde", comenta dr. Matheus Pereira.

"O nosso foco é contribuir para o desenvolvimento de processos que tenham uma capacidade de resolver problemas, técnicas que sejam alternativas sustentáveis, um custo muito reduzido e a possibilidade de não poluir ou de não contribuir para o impacto ambiental dos testes ou dos processos que atualmente já estão implementados", complementa.

De acordo com o pesquisador, a nova técnica permitirá quantificar com maior precisão os metabólitos presentes na urina de um paciente em fase muito inicial da doença e facilitar o diagnóstico. "Em um futuro, a perspectiva é que os pacientes possam utilizar o teste e ter uma espécie de alerta e, assim, procurar um médico diante de alguma anormalidade. Vale destacar que o teste não fornecerá o diagnóstico, porque obviamente é necessária uma avaliação médica", salienta.

Parceria

O trabalho faz parte da forte parceria e cooperação internacional, iniciada há 11 anos, pelo doutor Álvaro Lima durante o pós-doutoramento na Universidade de Aveiro. Ao longo desse tempo, a parceria já proporcionou missões e interações entre discentes e docentes das duas universidades, além de uma consolidada e forte produção científica. No total, foram 45 artigos, duas patentes e um capítulo de livro.

Assessoria de Imprensa