Governo de Sergipe, MMA e PNUD entregam mudas de gliricídia a agricultores

05 de Setembro de 2020, 08:50

Entrega marca retomada de ações do Projeto de Combate à Desertificação para fortalecimento da bacia leiteira no semiárido

Agricultores familiares do Assentamento Paulo Freire, no município de Porto da Folha, receberam mudas de gliricídia para implementar campos de produção consorciada com palma forrageira. O ato realizado na quinta-feira, 3 de setembro, marca o início de mais uma etapa do Projeto Sergipe de Combate à Desertificação, cujo objetivo é introduzir políticas públicas de manejo sustentável da terra aplicando tecnologias socioambientais, para elevar a produção rural nas áreas susceptíveis à seca. Ao todo, serão entregues mais de 140 mil mudas de gliricídia, entre outras ações. O projeto é fruto da parceria entre o Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura da Agricultura, Desenvolvimento Agrária e da Pesca (Seagri), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Programa das Nações Unidas (PNUD), com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). A execução é realizada pela Seagri por meio de suas vinculadas, Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro) e Companhia de Desenvolvimento de Recurso Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro).

O Superintendente do Ibama em Sergipe, Romeu Boto, participou do evento representando o Ministério do Meio Ambiente. Ele destaca a relevância e o impacto social da retomada das ações voltadas para o combate à desertificação. "Ao todo, nessas ações, serão beneficiadas cerca de 3.300 famílias, com investimentos de mais de um milhão de reais. Neste momento, está sendo feita a entrega de mudas de gliricídia, mas o projeto terá mais ações, como regularização de áreas, projetos voltados aos recursos hídricos, que vão trazer benefícios ao homem do campo, trazendo na prática a presença do Ministério", pontuou.

No Assentamento Paulo Freire, 3.500 mudas foram entregues a sete famílias de agricultores familiares. Segundo o secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, só com as mudas de gliricídia, serão beneficiadas mais de 600 famílias no semiárido sergipano. "Contamos com a sinergia entre os programas de governo. As famílias que no ano passado foram contempladas pelo programa Mais Palmas do Governo do Estado, recebem agora a gliricídia para o plantio consorciado, com o intuito de fortalecer a nossa bacia leiteira e combater a desertificação em toda a região. Essa é a primeira ação que estamos fazendo este ano, mas virão outras ações na sequência, como a bioágua, kits irrigação, enriquecimento de caatinga, etc. dentro desta parceria com o Governo Federal", disse André.

A agricultora do assentamento São Jorge, Ana Celma, também recebeu mudas da planta. Ela sabe que a gliricídia somada à palma e ao milho complementam a ração dos animais. "Desde já queremos agradecer, em nome do grupo dos assentados, porque essa muda é de grande importância na alimentação do gado e pode substituir a proteína da soja. Não vai tomar muito espaço porque vai ser plantada junto com a palma, então quando a gente vai buscar a palma, já pode trazer o fecho de galho de gliricíria com as vagens, triturar, e pôr a palma para dar ao rebanho", destacou a agricultora.

Capacitação

A entrega das mudas foi seguida de curso prático sobre a produção, o manejo e a utilização de gliricídia para alimentação animal. As orientações técnicas foram ministradas pelo médico Veterinário e doutor em zootecnia da Embrapa, Rafael Dantas. "Essa é uma parceria de sucesso, entre a Embrapa e a Seagri. A Embrapa traz o conhecimento e a tecnologia e soma às políticas públicas. Sergipe está muito empenhado em relação a isso, para que o agricultor produza de forma ambientalmente correta e economicamente viável", explicou Rafael.

Os agricultores que participaram consideraram positivos os ensinamentos trazidos juntamente com as mudas de gliricídia. "Achei muito boa a capacitação e aprendi muitas coisas, a plantar a gliricídia, que nunca plantei. É a primeira vez. Eu aprendi no curso que ela é boa para o gado, para as ovelhas, para fazer a ração. Isso é muito importante, porque no verão as famílias sofrem muito para dar ração ao animal, então esse projeto vem para melhorar mais a produção do assentamento", disse o agricultor do Paulo Freire, Juraci Faria.

Textos e Foto: Ednilson Barbosa Santos