siga nossas
redes sociais:

Edvaldo participa de videoconferência com ministro substituto da Saúde

20 de Maio de 2020, 15:08

O prefeito Edvaldo Nogueira participou, na manhã desta quarta-feira, 20, de reunião, por videoconferência, com o ministro substituto da Saúde, Eduardo Pazuello. Organizada pela Frente Nacional de Prefeitos, a audiência discutiu o enfrentamento ao coronavírus nos municípios brasileiros. Os prefeitos apresentaram uma série de reivindicações ao Governo Federal, entre elas a liberação de mais recursos para a pequena e média complexidade, a disponibilização direta para as prefeituras de testes, equipamentos de proteção individual, medicamentos e respiradores, além da criação de um protocolo de estratégias para que cada prefeitura possa atuar, com mais autonomia, em seu município.

 

"A Frente Nacional de Prefeitos se reuniu com o ministro Eduardo Pazuello, para discutir ideias para que possamos avançar no combate ao coronavírus. O principal ponto levantado foi a construção de um Pacto Federativo com orientações para que Estados e Municípios possam aumentar ou diminuir o isolamento social. A discussão deste ponto teve como propósito a construção de um projeto nacional, a partir do governo federal, que unifique os governos municipais e estaduais em um protocolo único de enfrentamento", afirmou Edvaldo.

 

Para o prefeito de Aracaju, "é fundamental que o governo federal auxilie os municípios brasileiros com a aquisição de equipamentos de proteção individual, medicamentos, entre outros itens essenciais para o combate ao coronavírus". "Muitas cidades não estão conseguindo adquirir esses itens e acreditamos que o socorro deve vir do Governo Federal", justificou.

 

Edvaldo também pontuou que a liberação de mais recursos, conforme está disposto em projeto aprovado pelo Senado, será fundamental para enfrentar o coronavírus, além da necessidade de habilitação de mais leitos de retaguarda pelo Governo Federal. "Em Aracaju, construímos o hospital de campanha com 152 leitos e precisamos da habilitação, por parte do Ministério, para que assim recebamos mais recursos para cuidar melhor da nossa população", disse.

 

Apoio aos municípios

 

Durante a reunião, o ministro substituto reconheceu a necessidade da destinação de um auxílio maior, pelo Governo Federal, aos municípios de grande porte e capitais, além do envio direto de equipamentos de proteção individual. Pazuello também sinalizou para a definição de novos protocolos para o combate à covid-19 e defendeu que "os testes em massa são uma forma de virar o jogo".

 

"Não tenho dúvidas de que os municípios de grande porte e as capitais precisam de um atendimento maior, por isso já estamos trabalhando para aumentar o envio direto de itens para estas cidades, como EPI's, principalmente máscaras. Ainda nesta quarta-feira, devemos estabelecer novas definições para o enfrentamento, como a aplicação de um novo protocolo de tratamento para o início da infecção, evitando que o paciente chegue a ir para a UTI. Além disso, acredito que os testes em massa nos ajudariam a virar o jogo, aplicando desde o começo da doença, um novo protocolo de tratamento", declarou.

 

UTI's

 

O ministro também explanou sobre um novo modelo de contratação de leitos de UTI's em redes privadas. "Já está todo montado e esse plano possui um passo a passo, com diversos itens, entre eles os valores estipulados. Sabemos que com a interiorização do vírus, o fluxo de pacientes saindo das cidades do interior para as capitais vai aumentar e isso vai exigir que essas capitais continuem dando uma resposta rápida para socorrer estes pacientes. Por isso estamos preparando esse modelo de contratação de UTI's particulares e pedimos que ele seja analisado com bons olhos", disse.

 

Protocolo de estratégias

 

Na reunião, o prefeito Edvaldo Nogueira defendeu que o Ministério da Saúde disponibilize, "o mais rápido possível", um protocolo de estratégias que assegure a autonomia das prefeituras na tomada de medidas no enfrentamento ao coronavírus. "Quero reforçar a ideia da necessidade do mais rapidamente possível adotarmos os nossos protocolos. Isso vai nos dar elementos importantes para tomar atitudes de maior ou menor distanciamento social, a partir de critérios técnicos que sejam elaborados nacionalmente. E, cada município, a partir destes critérios, possa definir suas práticas", disse ele, que elogiou ainda a praticidade do ministro. "Prefeitos gostam de quem parte logo para a prática, porque as cidades são instrumentos de ação", frisou.

 

Em resposta à esta demanda de Edvaldo, endossada por outros gestores municipais, Pazuello concordou com a pauta e disse que será assegurada. "Concordo que os prefeitos só devem tomar a decisão cobertos por um protocolo, que assegure a cada lugar a sua autonomia. É o prefeito quem tem que manobrar, descobrindo onde tem que apertar mais a triagem, onde são necessárias medidas mais preventivas, onde tem que haver mais distanciamento, mas tudo em cima das Estratégias de Risco, estabelecidas pelo Ministério. O que todos queremos é salvar pessoas, manter a economia funcionando e manter a ordem e a segurança", afirmou.

 

'Unidade nacional'

 

O prefeito Edvaldo Nogueira definiu o encontro como "bastante produtivo". "Todos os pontos colocados pelos prefeitos foram levados em consideração e o ministro nos mostrou que, a partir de amanhã, um novo protocolo começará a ser elaborado para que os Estados e Municípios adotem medidas para o combate ao coronavírus e de distanciamento social, a partir de critérios técnicos e não de opinião A, B ou C", afirmou. "Os membros da Frente Nacional de Prefeitos saem esperançosos de que agora a gente possa construir uma grande unidade nacional para o combate ao coronavírus", reforçou.

 

O presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizette, elogiou a postura do ministro interino e solicitou que o encontro ocorra com periodicidade. "O ministro causou boa impressão aos prefeitos. Essa é uma mão de via dupla e assim como estamos fazendo os pedidos, também nos colocamos à disposição. O que precisar, conte conosco. Acredito que precisamos estabelecer critérios conjuntamente para a liberação dos R$ 9 bilhões previsto na MP 909/19, e esperamos do ministério um protocolo claro sobre a reabertura", afirmou.

 

Além de Jonas e Edvaldo, participaram da reunião os prefeitos de Teresina, Firmino Filho; de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto; de Florianópolis, Gean Loureiro; de Vitória, Luciano Rezende; de Macapá, Clécio Luís; de Cuiabá, Emanuel Pinheiro; de Piracicaba, Barjas Negri; e a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita.

 

AAN - Foto reprodução