Especialista alerta para importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil

23 de Novembro de 2020, 16:44

Nesta segunda-feira, 23, é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil, um alerta para a conscientização dos pais sobre a doença, prevenção e tratamento. No Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), órgão gerenciado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), uma média de 175 crianças são atendidas mensalmente na Oncologia Pediátrica para tratamento, consultas e acompanhamento médico. A leucemia é o tipo mais comum de câncer em crianças, seguido de tumores do sistema nervoso central e linfomas.

A quimioterapia é o tratamento mais utilizado pelo paciente infantil e chega a uma média de 85 sessões por mês. No ano passado (2019), foram totalizados 812 pacientes oncológicos entre adulto e infantil que concluíram o tratamento em radioterapia. O oncologista pediátrico do Centro de Oncologia do Huse, Venâncio Gumes Lopes, reforça a importância de um diagnóstico precoce para salvar vidas.

"O atraso no diagnóstico faz com que as crianças cheguem aos consultórios em estado avançado da doença. Essa data é significativa para conscientização dos pais para um diagnóstico precoce. O câncer não pode esperar e existem tipos que são mais agressivos, por isso, a importância dessas campanhas para identificar os principais sinais e sintomas da doença e agir com urgência no tratamento", alertou o médico.

Com a evolução significativa do tratamento nas últimas décadas, muitos pacientes conseguem a cura se a doença for diagnosticada precocemente. Por isso é importante ficar atento aos sinais que o corpo da criança e do adolescente apresenta para um diagnóstico precoce e preciso. "Coloração ou manchas roxas na pele como se fossem hematomas, perda de apetite e peso, caroços que não cessam sejam no pescoço, axilas, virilhas ou abdômen, palidez, cansaço, dores nas articulações e olhos, entre outros, é necessário buscar auxílio de um pediatra para investigação", enfatizou o oncologista pediátrico.

Ascom/SES