Saúde alerta sobre perigos do tétano acidental e necessidade da imunização

17 de Março de 2018, 08:12

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS), através da Coordenação de Vigilância Epidemiológica (Covepi) tem monitorado alguns casos de tétano acidental desde o ano passado. Apenas em 2017, foram quatro casos registrados em Aracaju. Para que essa estatística seja contida é preciso estar atento a alguns alertas dados pelo município.

"O aparecimento desses registros significa que precisamos redobrar a atenção e alertar a população para que ela se mantenha atenta à imunização preventiva, disponibilizada gratuitamente em todas as unidades de saúde de Aracaju. A simples aplicação da vacina já é o suficiente para reduzir os riscos da evolução da doença em caso de um corte ou perfuração acidental”, ressalta a coordenadora da Covepi, Tânia Santos.

Mesmo acometendo todas as faixas etárias, o tétano acidental se mostra mais frequente entre homens, principalmente aqueles que fazem parte dos grupos de risco, como agricultores, trabalhadores da construção civil e aposentados, uma vez que possuem maior risco de sofrer ferimentos com objetos de metal.

"Apesar de ser uma doença imunoprevenível, a letalidade ainda é alta, o que torna a antitetânica indispensável para a prevenção e o controle da patologia. O esquema completo recomendado tem início na infância, com três doses administradas no primeiro ano de vida, e reforços aos 15 meses, e quatro anos de idade. A partir dessa idade, é preciso garantir um reforço a cada dez anos - ou cinco anos, após a última dose administrada, no caso das gestantes", informa Tânia.

Caso ocorra um acidente de qualquer natureza, corte feito ao pisar em um prego, lata velha, arame ou vidros contaminados, por exemplo, seja superficial ou profundo, o mais indicado é procurar a unidade de saúde mais próxima, levando o cartão de vacina, para que sejam iniciadas as medidas de controle o mais rápido possível, impedindo assim a evolução e agravamento do quadro.

A doença

O tétano acidental é uma doença infecciosa, não contagiosa e aguda (com um curso acelerado, terminando com convalescença ou morte em menos de três meses). Ela é causada pela ação de exotoxinas produzidas pelo Clostridium tetani, que é encontrado na natureza sob a forma de esporo, podendo ser identificado em pele, fezes, terra, galhos, arbustos, águas putrefatas, poeira das ruas, no trato intestinal dos animais. A bactéria provoca um estado de hiperexcitabilidade do sistema nervoso central e os sintomas clínicos são febre baixa e espasmos. Em geral, o paciente mantém-se consciente e lúcido.

Sintomas e vacinação

Os sintomas mais comuns são dificuldade de abrir a boca e de engolir alimentos, riso sardônico (músculos faciais extremamente contraídos), rigidez abdominal, contração da musculatura paravertebral (opistótono), da cervical (rigidez de nuca) e de membros, independentemente da situação vacinal, da história prévia de tétano e de detecção de solução de continuidade da pele ou mucosas.

A SMS disponibiliza em todas  44 Unidades de Saúde da Família e nos hospitais Nestor Piva e Fernando Franco, um estoque com todas as vacinas necessárias ao controle imunológico da população aracajuana.

SMS