siga nossas
redes sociais:
FacebookTwitter

Saúde vacina mais de 16 mil pessoas durante o Dia D contra a Influenza

15 de Maio de 2018, 06:43

 

Apenas no Dia D da 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, ocorrido no último sábado, 12, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) imunizou 16.210 pessoas. Deste quantitativo, 13.033 fazem parte do público-alvo prioritário, determinado pelo Ministério da Saúde (MS).

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde, Taise Cavalcante, a SMS já imunizou, desde o início da campanha, 5.605 trabalhadores da Saúde; 10.983 crianças; 2.466 gestantes; 582 puérperas e 28.923 idosos – que são os grupos pertencentes às prioridades contabilizadas pelo MS.

“Apesar de também contabilizarmos outros grupos, como professores [2.268 vacinados] e pessoas com doenças crônicas e comorbidades [7.242], por exemplo, o Ministério determina algumas prioridades dentro do próprio público-alvo, dos quais os idosos vêm em primeiro lugar. Desse último, já vacinamos 54,17%, mas quando avaliamos o total prioritário, contabilizamos apenas 40,71% da meta”, informou Taise.

Ampliação

Como uma das formas de garantir que a meta seja cumprida, a SMS ampliou o público que pode ser vacinado pela unidade itinerante. “Antes, a unidade era destinada apenas para os idosos. Porém, a fim de contemplar as demais prioridades do nosso público-alvo, resolvemos ampliar esse atendimento para gestantes, puérperas e trabalhadores da Saúde”, afirmou Taise.

Até a próxima terça-feira, 15, a unidade atenderá a população na praça Tobias Barreto e, a partir de quarta, 16, ela estará na Praça Dom José Tomaz, no bairro Siqueira Campos. O veículo atenderá das 8h às 11h30, e para tomar a vacina é preciso apresentar um documento de identificação com foto. No caso das puérperas, basta um registro que comprove o nascimento em até 45 dias.

Além disso, nas unidades básicas, os pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica. Já os professores precisam apenas levar um contracheque ou crachá da instituição de ensino em que é vinculado.

Fonte e foto assessoria