Secretária apresenta Relatório do 3º Quadrimestre da Saúde aos vereadores

23 de Março de 2018, 08:09

Transparência. Esta é a marca da gestão da secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza. Para confirmar isso, a gestora da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) apresentou na Câmara Municipal nesta quinta-feira, 22, o Relatório dos indicadores do 3º Quadrimestre, referente aos meses de setembro a dezembro do ano passado.

“Esta é uma forma transparente de demonstrar à sociedade as nossas ações durante os últimos quatro meses do primeiro ano da gestão do prefeito Edvaldo Nogueira. Mostrar através dos indicadores o que temos feito na Saúde, as várias ações na área da Vigilância, da Atenção Primária, nos hospitais municipais, nos exames, o que recebemos de recursos financeiros, onde investimos. Enfim, é uma prestação de contas das nossas ações”, informou a secretária.

O número de cadastros de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) foi um dos índices mais relevantes durante o período. De acordo com a coleta de dados, eram 28.678 usuários cadastrados em janeiro do ano passado. Já em dezembro, foram somados 132.918, o que representa um acréscimo de mais de 400%.

Na Rede de Urgência e Emergência os números dos atendimentos nos hospitais Nestor Piva e Fernando Franco também aumentaram. No Nestor Piva foram atendidas 44.858 pessoas no 2º quadrimestre, e no 3º foram 47.575. Da mesma forma no Fernando Franco, que passou de 35.438 para 37.894. “Vale ressaltar que o índice de desistência do atendimento era grande. No início do ano passado cerca de mil pessoas desistiam de esperar o atendimento, mas com a implantação da classificação de risco e a sala de medicação rápida, este número baixou para 300. Nossa esperança é que com a lotação dos profissionais convocados no Processo Seletivo Simplificado (PSS), este dado baixe ainda mais”, frisou Waneska.

A meta para o Programa Municipal de Controle do Aedes aegypti era visitar 80% dos imóveis cadastrados no Sistema de Gerenciamento de Localidades (Sisloc). “Mas a Vigilância em Saúde da SMS atingiu 90,5% dos imóveis, ou seja, dos 232.994 imóveis cadastrados, 211.019 foram visitados”, acrescentou.

A secretária ainda explicou que a equipe da atual gestão da SMS conseguiu recuperar cerca de R$ 10 milhões de emendas parlamentares e apresentou os processos finalizados no último quadrimestre de 2017 com a aquisição de equipamentos como condicionadores de ar, balanças e computadores.

 “Com esta verba conseguimos abrir o processo licitatório para obras de reforma de seis Unidades de Saúde da Família (USFs) e ampliação de mais três”, informou. De acordo com o Planejamento serão reformadas as USFs Celso Daniel, Anália Pina, Fernando Sampaio, D. Jovem, Cândida Alves e Carlos Hardmam; e ampliadas a Ministro Costa Cavalcante, Hugo Gurgel e Anália Pina. “As unidades estavam muito sucateadas, sem equipamentos e com problemas estruturais. Neste primeiro momento vamos melhorar estas oito unidades, porque a Anália Pina, do Conjunto Almirante Tamandaré, será reformada e ampliada”, enfatizou.

Questionamentos

A maioria dos vereadores estava presente na sessão e muitos fizeram vários questionamentos e elogios à administração da SMS. O vereador Américo de Deus, por exemplo, parabenizou a gestora da Saúde municipal pela recuperação das emendas parlamentares e pelo aumento do acompanhamento das famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família, pelas equipes de Atenção Básica, além da busca ativa das pessoas com tuberculose e hanseníase, que já iniciaram o tratamento.

Assim também fez o vereador Jason Neto, que citou a secretária e toda sua equipe técnica presente. “Já percebemos uma melhoria na Saúde de Aracaju. Eu sou radialista, escutava reclamações diárias das pessoas, e agora percebo que diminuíram. Sabemos que ainda tem muito a ser feito, mas esta gestão pegou a Secretaria em uma situação horrível e em poucos meses já conseguiu melhorar. A secretária Waneska não foi uma escolha política. Ela é servidora da casa, e foi uma nomeação técnica e acertada”, reconheceu.

Todos os questionamentos dos vereadores presentes foram respondidos pela secretária, que expôs cada detalhe das principais dificuldades e dos processos resolutivos que envolvem a Saúde Pública da capital sergipana.

Foto assessoria