siga nossas
redes sociais:
FacebookTwitter

SES alerta para baixa cobertura da vacina contra o vírus da gripe

08 de Junho de 2018, 15:58

O Estado de Sergipe ainda não alcançou a meta de cobertura vacinal da campanha contra o vírus da gripe, o H1N1, iniciada no dia 23 de abril. Ao contrário, o índice apurado pela Gerência do Núcleo de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde revela uma baixa cobertura, com 390 mil doses aplicadas, o equivalente a 76% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde que é de 90% do público-alvo. A imunização insatisfatória faz vítimas fatais. Este ano, três pessoas morreram pelo vírus H1N1, um adulto e dois bebês.

Dos 75 municípios, apenas 14 alcançaram os 90% de cobertura vacinal. “Reconhecemos o esforço dos gestores de Arauá, Boquim, Feira Nova, General Maynard, Macambira, Nossa Senhora de Lourdes, Pirambu, Poço Redondo, Poço Verde, Ribeirópolis, Simão Dias, Telha, Malhada dos Bois e Monte Alegre, que não pouparam esforços para garantir a imunização a todos dos grupos prioritários”, exaltou a gerente do Núcleo de imunização, Sândala Teles.

Entretanto, municípios de maior densidade populacional como Aracaju e Nossa Senhora do Socorro estão bem aquém da meta vacinal: 70% e 60%, respectivamente. “Alertamos os municípios que não alcançaram a cobertura de 90% que continuem se esforçando para atingi-la, que desenvolvam estratégias como a busca ativa para assegurar o direito à vacina de todos dos grupos prioritários”, orienta Sândala, espelhada nas ações do município de Nossa Senhora do Socorro.

Com 86% de cobertura vacinal, o município de Glória desenvolveu estratégias eficazes para atingir a meta do Ministério da Saúde, segundo garante o coordenador de Imunização e de Vigilância Epidemiológica, Francisco Edilson de Souza. “Para garantir que até o fim da campanha a gente alcance os 90% estamos fazendo a vacinação nos domicílios. Para isso, solicitamos aos agentes comunitários que realizassem um levantamento junto ao público-alvo e a partir daí detectamos aqueles que ainda não tinham tomado a vacina e fomos aos seus domicílios para imuniza-los. Antes, vacinamos alunos e professores nas escolas”, informou o coordenador.

Imunização

Neste sábado o país celebra o Dia da Imunização, que é a aquisição de proteção imunológica contra doenças infecciosas. Em Sergipe o Programa de Imunização foi implantado ao mesmo tempo que no restante do país  pelo Ministério da Saúde. O ano era 1973 e apenas três vacinas formavam o acervo do programa: pólio, sarampo e tríplice bacteriana. Os avanços foram acontecendo e em 1977 foi estabelecido o primeiro calendário de vacinação. Na época, uma nova vacina foi inserida: a BCG.

Passados 40 anos da implantação do programa, o calendário disponibiliza 14 tipos de vacina: BG – ID, Hepatite B (mantida dose ao nascer), Penta (DTP/Hib/Hep B), VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VOP (vacina oral contra pólio), VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano),Vacina Pneumocócica 10 valente, Vacina meningocócica conjugada  tipo C, Vacina febre amarela, Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba), DTP (tríplice bacteriana), Influenza (campanha anual), Tetraviral (Sarampo, rubéola, caxumba, varicela) e Hepatite A.

Sândala Teles destaca que a imunização previne, controla, elimina e erradica doenças imunopreveníveis, assim como reduz a morbimortalidade por certos agravos.  “É importante salientar que a imunização não se dá apenas pelas vacinas. O soro e a imunoglobulina também compõem o acervo de 42 imunobiológicos que disponibilizamos para a população”, destacou.

Municípios

A campanha de vacinação contra o vírus H1N1 se prolonga até o dia 15 deste mês. No entanto, a partir do próximo  dia 18 de junho, os municípios que ainda não atingiram a meta estabelecida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) de 90%, deverão buscar estratégias para continuar vacinando os grupos prioritários, em especial, crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, uma vez que a vacinação contra a influenza contribui sobremaneira para a redução das complicações, das internações e, consequentemente, da mortalidade decorrente das infecções pelo vírus da gripe.

SES

Foto ilustração

  • Medium df02f8c50cbea67ec59bd2399a108bce