SES e Funesa realizam o I Webinário Internacional da Prematuridade

24 de Novembro de 2020, 10:35

"O impacto da atualidade no Cuidado Perinatal: evidências das boas práticas além da pandemia". Este é o tema central do I Webinário Internacional da Prematuridade, iniciado nesta segunda-feira (23), na plataforma Mconf, a fim sensibilizar e aprimorar o conhecimento dos profissionais de saúde no mês internacional da prematuridade. Realizada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES)  e operacionalizada pela Fundação Estadual de Saúde (Funesa), a ação também envolve a III Jornada Estadual da Prematuridade; o II Encontro Norte e Nordeste de Perinatologia; e o VI Seminário da Unidade Neonatal Carline Rabelo de Oliveira. O evento segue com programação nos próximos dias 25, 27 e 30.

A webconferência de abertura teve como tema "Da evidência à prática assistencial – Qual caminho percorrer?", ministrada pela neonatologista e coordenadora de Ações Nacionais e Cooperação do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF)/Fiocruz, Maria Auxiliadora de S. M. Gomes. A palestra também contou com a participação da neonatologista e coordenadora da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (Daps) da Secretaria de Atenção Primária à Saúde (Saps) do Ministério da Saúde, Martha Vieira.

Entre os assuntos abordados, Maria Auxiliadora apresentou sobre o cuidado neonatal no Brasil; práticas clínicas baseadas em evidências; evidência na prática assistencial: maior qualidade nos processos do cuidado neonatal, redução de variabilidade indesejável e melhoria dos resultados; prática assistencial baseada em evidências no contexto brasileiro; perspectiva de gestores sobre a implementação de diretrizes clínicas em Unidades Neonatais Brasileiras; e inciativas de âmbito nacional.

A neonatologista também falou sobre o esquema síntese do cuidado neonatal; funcionalidades do Portal Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente; a Estratégia Qualineo (Estratégia do MS para reduzir taxas de mortalidade neonatal e qualificar a atenção ao recém-nascido nas maternidades) e seus eixos norteadores; Rede Colaborativa entre as Unidades Neonatais/Maternidades; a importância do monitoramento na qualidade do cuidado neonatal, além de métodos e práticas assistenciais.

Presente na abertura, a superintendente da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), Lourivânia Prado, afirmou que, desde que o projeto nasceu, na época da precursora da neonatologia em Sergipe, a médica Carline Rabelo de Oliveira, o objetivo principal é sensibilizar os profissionais que atuam na assistência a bebês prematuros e as universidades, bem como fomentar o conhecimento científico. "Vamos refletir o que já fizemos de assistência humanizada, focar nas nossas práticas e revisar o que pode ser melhorado".

Ainda de acordo com Lourivânia, é importante ressaltar sobre a necessidade de atualizar os protocolos de acordo com a qualidade da assistência, conforme as políticas do Ministério da Saúde no cuidado neonatal. "São quatro dias para refletirmos o que nós, enquanto serviço e referência no estado para prematuros, já realizamos, dentre vários protocolos, a exemplo da prevenção da hipotermia e boas práticas ao parto e nascimento, para que esse bebê tenha boas condições e seja possível fazer uma assistência direcionada", disse a superintendente do MNSL.

Já é a sexta ação do Seminário da Prematuridade, mas esse ano a atividade foi inovada para modelo de webinário internacional. A ação é conduzida pela MNSL, pois a unidade registra o maior número de nascidos com prematuridade. Segundo a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, o Brasil e Sergipe possuem uma taxa alta de prematuridade e essa condição apresenta algumas variáveis que podem ser reduzidas, que vai da Atenção Primária a uma assistência na maternidade.

Para a secretária, o evento é de extrema importância, pois fortalece um tema de interesse e preocupação no Estado de Sergipe. "Promover uma dinâmica como essa, em um universo que vai abranger diversos profissionais, não só de Sergipe, é levar luz à situação, ao problema, e como ele pode ser revertido. Trabalhar com o pré-natal, com o acompanhamento na Atenção Primária, o olhar do profissional, que pode ressignificar seus processos de trabalho, e para a assistência das maternidades, que envolve um universo de profissionais. É uma discussão rica, com diversos profissionais, portanto não poderia deixar de acontecer", pontuou.

Durante os próximos dias do webinário serão promovidas mesas redondas sobre "Neuroproteção Neonatal" e "Boas Práticas no Parto e Nascimento", além de palestra sobre "Pulmão Prematuro – Estratégias de Proteção". A atividade busca gerar reflexões sobre a prática diária dos profissionais e estudantes, além de promover troca de experiência entre os participantes e palestrantes.

Fone e foto assessoria