SES pretende realizar mutirão de cirurgias eletivas no mês de abril

19 de Março de 2018, 16:12

Para diminuir a demanda reprimida, que foi acumulada ao longo de anos, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) está organizando um mutirão de cirurgias eletivas – aquelas que não têm caráter de urgência -, de diversas especialidades, a exemplo de vasculares, ortopédicas e ginecológicas, para beneficiar em larga escala usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, se for necessário, a pasta contratará até serviços extras para a realização do mutirão. “Há inúmeras cirurgias eletivas acumuladas há muitos anos e precisamos diminuir esta fila. Por isso, pretendemos fazer um mutirão para, se possível, zerar a fila ou diminuí-la significativamente. Usaremos as unidades da Rede Estadual de Saúde, principalmente os hospitais regionais, mas se for necessário poderemos contratar até serviços extras. Queremos é produzir cirurgias em larga escala para beneficiar os usuários”, disse.

 Já o secretário adjunto da Saúde, Luiz Eduardo Correia, explica que a SES está providenciando insumos, aparelhos e equipes para a execução do mutirão. “O Hospital Cirurgia e algumas unidades filantrópicas também entrarão no mutirão e já estamos providenciando o material, profissionais e aparelhos para a realização das cirurgias. Tem paciente que espera por uma cirurgia eletiva há mais de cinco anos. Então, estamos organizando o mutirão e queremos que ele já comece no mês de abril”, conta.

 Hospital Cirurgia

Além do mutirão, explica Luiz, a SES está tomando outras providências para diminuir a fila das eletivas e o Hospital Cirurgia, o qual a Secretaria de Estado da Saúde firmou contrato no início de janeiro deste ano para a prestação de serviços, já está potencializando os procedimentos.

 “Na verdade já começamos a acelerar os procedimentos eletivos e o Cirurgia já vem potencializando desde o início deste ano as cirurgias eletivas, principalmente as ortopédicas e neurológicas. Mas queremos também que o hospital agilize as cirurgias das demais especialidades e estas correndo atrás disso”,  informa o secretário adjunto.

SES